Renato Ventura ensina idosos a dançarem de maneira gratuita, aulas trazem inúmeros benefícios a saúde dos alunos

Mineiro, bailarino e com um sorriso marcante, assim é possível definir Renato Ventura , nascido em Belo Horizonte e morador da cidade até hoje. A sua paixão pela dança começou cedo, quando tinha apenas 10 anos.

Junto com alguns amigos, Renato assistia fitas VHS de Michael Jackons e James Brown e se inspirava nos ídolos americanos para criar coreografias para se apresentarem em matinês, festas e concursos de dança.

Renato Ventura dá aulas de dança para idosos de forma gratuita
Reprodução
Renato Ventura dá aulas de dança para idosos de forma gratuita

Em uma dessas competições, em que participava com seu grupo amador , Renato foi convidado a fazer aulas de balé em uma das mais renomadas escolas de dança de BH. 

Logo aos 16 anos, se tornou bailarino profissional e passou pelas Companhias de Dança de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul antes de se aposentar, em 2003. 

A dança e os idosos 

Para Renato, de 45 anos, a dança significa uma sintonia entre o corpo e a mente e foi essa ideia que moveu sua vida nos últimos anos. Já em 1996, criou um grupo chamado Cultura Popular Brasileira, e chamou seis idosos para participarem da empreitada. 

“Com mais idosos interessados em participar, senti a necessidade de criar uma aula sem coreografias, pois eles queriam se divertir ‘sem compromisso’, mais livres”, conta Ventura. 

Decidiu então abrir a Dança Livre (não a famosa escola dos dias atuais) e começar mais turmas para receber todos os interessados. Como muitos não podiam pagar as aulas, iniciou também o trabalho voluntário: “Foi assim que surgiu a ‘LARUTAN’, que é a palavra natural de trás pra frente e simboliza a liberdade que dou aos idosos de participarem da dança, independente da condição física e sem cobrança de performance”.

Para o professor, o importante é que seus alunos se sintam acolhidos e estimulados a curtir a vida, e que possam socializar e movimentar o corpo como puder.

Renato em aula de dança com turma de idosos
Reprodução
Renato em aula de dança com turma de idosos


Os benefícios da dança

As aulas trazem um enorme bem estar ao cotidiano dos aposentados que arriscam um passinho ou outro com Renato. Além dos benefícios psicológicos e da alegria que a dança, e o sorriso do professor, proporciona, há também melhoras físicas.

Leia mais:  Estudo comprova que dança ajuda a combater a depressão e o estresse

Equilíbrio, lateralidade, sensibilidade, força muscular, melhora da coordenação motora, mobilidade e capacidade de realização de tarefas diárias estão entre alguns dos muitos ganhos vivenciados pelos alunos.

Para Renato, o primeiro passo, e mais importante, para participar das aulas é tirar o pijama e deixar a preguiça de lado. Depois disso, não há limites ou restrições! Em suas aulas, se dança da maneira que puder e quiser.

Ventura trabalha sem grandes cobranças, e busca sempre usar sequências simples de movimentos, variando cada uma de acordo com a postura e necessidade de sua trupe de dançarinos . Para a vivência corporal ser rica, ele utiliza diversos grupos musculares e ritmos variados – mesmo as músicas são pensados para agradar diferentes gostos, e costuma tocar hits da atualidade e mais antigos também.

Os resultados são garantidos, e o mestre já viu diversos alunos pararem de fazer uso de fortes medicamentos para dores e até mesmo depressão, sempre por indicação médica. Ao ganhar o Prêmio Bom Exemplo, uma aluna de 95 anos  pegou no colo: “Ela foi muito ligeira, eu levei um susto!” , lembra Ventura entre risadas. 

Para participar das aulas, basta comparecer ou no Centro de Referência da Pessoa Idosa , sempre às quartas e às 16h, ou no Centro Cultural Padre Eustáquio , sempre às sextas e às 16h30, com uma exame médico em mãos. Em média, cada turma de dança recebe 300 alunos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.